Tendências do ensino à distância para 2020

O ensino à distância não para de crescer e se reinventar. Confira o que podemos esperar desse mercado.

O ensino à distância (EAD) vem crescendo já faz bastante tempo. Nos Estados Unidos já existem dados indicando que o número de matrículas em cursos online é maior que o de matrículas na educação superior presencial. Já no Brasil, desde 2010 a modalidade vem apresentando crescimento de 20% ao ano, contra apenas 6% para o ensino tradicional.

É claro que existem alguns fatores que ajudam muito no crescimento do EAD por todo o mundo, como o custo reduzido (chegando a ser 68% menor que os valores na educação presencial) e a facilidade de penetrar no mercado (já que não é em todo lugar que as pessoas têm acesso a uma instituição de ensino para estudar presencialmente), mas vale lembrar que no quesito qualidade ele também não fica para trás.

Com uma relação estreitamente ligada à tecnologia, o ensino a distância passa constantemente por mudanças e melhorias que seguem os avanços tecnológicos cada vez mais rápidos que vivemos atualmente. Por isso, separamos aqui algumas das principais tendências que vão movimentar o setor em 2020.

Microlearning

Nós já falamos um pouquinho desse assunto aqui no blog da Provi, mas não tem como deixar ele de fora se for pra falar de novidades na educação.

O microlearning é uma metodologia de ensino baseada em trabalhar conteúdos educacionais de maneira objetiva e direta, quebrando o tema em diversas aulas rápidas e simples — de 5 minutos, por exemplo — ao invés de trabalhar o mesmo tópico durante horas seguidas.

Por conta da redução no tempo de dedicação necessário, essa metodologia permite maior flexibilidade para quem está estudando, já que as pessoas podem fazer pequenas lições direto no próprio celular enquanto estão no ônibus voltando pra casa, por exemplo.

Já tem gente por aí falando até de nano-learning, mas por enquanto vamos dar um passo de cada vez nas novidades.

Videoconferência

Definitivamente o uso de videoconferências não é novidade para ninguém, mas é fato que essa é uma ferramenta que vem ganhando cada vez mais espaço no meio educacional.

Com celulares que ficam mais potentes a cada lançamento e a evolução nas redes de dados disponíveis no mercado, como o 4G, as videoconferências passam a se tornar ainda mais presentes no ambiente do EAD.

Essa prática permite que pessoas em diferentes lugares do mundo se conectem para realizar aulas particulares a distância ou até mesmo aulas em grupo, com vários estudantes reunidos ao redor de um mesmo assunto a ser abordado.

No ensino de idiomas estrangeiros por exemplo, esse pode ser um recurso bastante interessante, já que possibilita que alguém pratique a comunicação diretamente com algum falante nativo da língua estudada e até tenha contato com diversos sotaques diferentes.

Inteligência artificial

Em todo lugar a gente ouve falar de inteligências artificiais, machine learning e tudo mais, e no EAD não ia ser diferente.

A aplicação desse tipo de tecnologia abre um vasto campo de possibilidades, que podem não só criar novas formas de se trabalhar com educação como também potencializar práticas que são utilizadas atualmente.

Um bom exemplo de uma possível aplicação disso é na personalização do conteúdo didático. As plataformas de EAD podem utilizar os dados fornecidos por você durante a realização das suas aulas e tarefas para identificar que tipo de conteúdo você tem mais dificuldade ou interesse, e partir disso para sugerir novas atividades que otimizem o seu aprendizado.

Gamificação

O EAD tem suas facilidades, mas uma grande dificuldade de quem estuda dessa forma é se conseguir se comprometer e manter o engajamento com o aprendizado. E é aí que a gamificação vem pra ajudar.

Esse conceito é focado em trazer a lógica presente em jogos de puro entretenimento para outros tipos de atividade, incluindo os estudos. Sabe aquele joguinho que você abre despretensiosamente no seu celular e quando percebe já se passaram horas e você nem viu? É mais ou menos essa a ideia.

Além de ser uma ótima maneira de melhorar a experiência de quem estuda por celular ou algum outro aparelho mobile, a gamificação também traz impactos bastante positivos na motivação que os estudantes precisam para continuar com suas atividades.

Um exemplo bem legal do uso de gamificação na educação é o Duolingo, uma plataforma de ensino de idiomas que te dá recompensas virtuais sempre que você alcança um novo objetivo de estudo ou completa alguma aula específica. Os usuários ainda acompanham um ranking com outros estudantes/jogadores, o que aumenta ainda mais a motivação para continuar fazendo as atividades propostas.


E aí, você já conhecia todos esses tópicos? Conseguiu pensar em como atualizar a sua escola para acompanhar as novidades do mercado e entregar um serviço ainda melhor aos seus alunos?

Não se esqueça de que é indispensável buscar maneiras de se diferenciar da concorrência para conquistar o sucesso com a sua organização, e também vale lembrar que nós da Provi estamos sempre disponíveis para ajudar as escolas parceiras a atingirem resultados sempre melhores.

Veja mais sobre o autor

Matheus Torrano

Apaixonado por criatividade e inovação, busco maneiras de tornar as vidas das pessoas mais felizes com o meu trabalho.